Caça Menor      

 

 

Momentos de reflexão  09-03-2010 11:19:35 Escrito por luisnovais  (15 Respostas)  

 

Faltou...  09-03-2010 13:53:13 Resposta por Pedro Jorge   

 

Fantasma e Nuno Ferro - a mesma lição  09-03-2010 13:55:33 Resposta por Jaime   

 

Phantom  09-03-2010 14:05:40 Resposta por r_martins   

 

Confrade Ricardo Martins  09-03-2010 15:29:23 Resposta por luisnovais   

 

Ok  09-03-2010 18:10:01 Resposta por Inácio   

 

ainda...  09-03-2010 18:20:44 Resposta por Inácio   

 

Nada disso.  09-03-2010 19:31:38 Resposta por Luis Paiva   

 

Nem mais  09-03-2010 14:43:51 Resposta por jffs-B52   

 

É assim mesmo Confrades,  09-03-2010 19:37:53 Resposta por alectorisrufa   

 

É isso mesmo!  09-03-2010 22:39:44 Resposta por joaoacabado   

 

Já é...  17-03-2010 12:34:57 Resposta por Pedro Jorge   

 

Parabens  17-03-2010 12:45:31 Resposta por Inácio   

 

PHANTOM, UM REGRESSO NECESSÁRIO!  09-03-2010 22:55:34 Resposta por as do gatilho   

 

''Alturas há...  13-03-2010 12:22:15 Resposta por malaico   

 

Errata  13-03-2010 13:22:58 Resposta por malaico   

 


''Alturas há... 

Visualizações 460

malaico  13-03-2010 12:22:15
 
 

... em que um gajo não consegue ficar calado." Lembra-se confrade phantom? Num dos seus ultimos posts disse algo do genero: "sem letras nem fotos ninguém se morde", pois vou-lhe contar uma pequena história que comigo se passou já la vão uns anos ainda eu era só mochileiro do meu pai. Estavamos em Espanha num desbaste onde havia coelhos numa quantidade que nunca vi, e eu e o meu pai estávamos numa barreira á meia encosta. O mato á nossa frente apenas se compunha de umas quantas estevas aqui e ali nada de cerrado. no fim da encosta havia uma ribeira que devia ter um metro de fundura ou menos. Cães a maticar havia-os por todo o lado e eu sabia que dentro da ribeira estavão pelo menos três dos meus. Vemos um coelho a correr paralelamente á ribeira no limpo e o meu pai faz dois tiros ao coelho, mas no segundo e ao ouvir os outros maticar uma cadela minha que estava na ribeira (por sinal a melhor na altura), sai mesmo na altura do segundo tiro e claro ficou chumbada.Eu rapazeco apercebi me e saiu de trás do meu pai a chorar e a gritar que nem um louco a dizer que ele tinha morto a cadela, o meu pai ao ver aquilo ficou com a ideia que eu é que estava chumbado e cooreu ladeira abaixo atrás de mim,(imagino a aflição).Chegados ao pé da cadela que so tinha uns dez bagos na perna o meu pai tentou-lhe fazer uma festa e zás uma levou uma dentada. Isto tudo para dizer o quê: não foi por ter levado aquela dentada que o meu pai deixou de ter ou de gostar de cães se é que me faço entender, passo a metáfora. Peço lhe que não deixe de participar apenas porque se "mordem" porque estas "dentadas" no meio de pesoas como nós até dão algum sal aos discursos, eu acho normal haver estas pequenas picardias entre nós caçadores e até as acho saudáveis muito sinceramente. Não creio que tenha havido maldade de nenhum confrade, nem como disse o confrade Luis Paiva que se tenha ido embora por isso.
Por isso peço-lhe que volte depressa, a lua de Março está a chegar e gostava de ler as suas letras.

Grande abraço a toda a confraria
Saudações cinegéticas
Pedro Ricardo

 
                                >> Responder