Caça Menor      

 

 

Vento Leste  17-08-2010 16:10:56 Escrito por erresse1  (2 Respostas)  

 

Ah! Omiti uma importante informação  17-08-2010 16:19:12 Resposta por erresse1   

 

Já agora, sujiro o seguinte:  17-08-2010 17:05:40 Resposta por falk   

 


Vento Leste 

Visualizações 629

erresse1  17-08-2010 16:10:56
 
 

Meus Caros

Ainda hoje não me livrei da revolta que me causou uma peça do noticiário da RTP1, de ontem à noite, desta feita, não tanto quanto à qualidade do jornalismo apesar de incluir a palavra "caça" no seu relato, mas sim com o que noticiaram estar a ocorrer com os furtivos lá p'ras bandas de Pegões.

Aqueles nossos Confrades da Associação de Caçadores do Montijo e não só, estão a ser alvejados sem aviso pelos filhos de um c....ão dos furtivos e já houve quem tivesse mesmo umas bagadas metidas.

Cortam as vedações, roubam os veados, roubam as avestruzes, e se aparece alguém, pam pam, sem "água vai". Pelo visto já não é novidade por ali, e a GNR alegadamente está a investigar, pelo que neste momento, e bem, não se pronuncia públicamente sobre o assunto.

Como vamos iniciar um período de esperas, quis avisar quem p'ra ali vá, porque sempre é mais um par de olhos e de ouvidos que pode fazer a diferença na detecção e contenção deste problema, bem como para se munir dos devidos cuidados.

Creio inadvertidamente ter-me cruzado uma destas noites com esta "pandilha", que se desloca em três motorizadas e numa "caixa aberta" de côr creme já antiga com três "manos" lá dentro, e que súbitamente e sem aviso, viraram para a Herdade do Zambujal, com uma atitude mais que suspeita já que pareciam trazer o Diabo à cola e nunca me tiraram os olhos de cima.

Neste capítulo, como noutros, os hábitos agressivo-defensivos desta gente vão-se refinando por influência de hábitos estrangeiros de gente que tudo arrisca por não ter nada a perder.

Por volta de meados dos anos 80, quando da minha primeira visita a ZC's em países de leste, fui informado não oficialmente e "à boca pequena" é claro, que as ordens dadas à guardaria quanto a este tipo de gente, eram "abater à vista", sem mais.

Como Português, achei, porque não conhecia aquelas realidades, que seria uma indicação, no mínimo, um bocadinho "radical", porém, depois de ver a realidade, concluí que de facto não lhes restava mais remédio, pois do outro lado a práctica era exactamente essa.

Tive conhecimento de casos semlhantes cá ocorridos, mas com uma incidência esporádica, e incomparávelmente menor que no leste.

Detesto radicalismos, mas, como tudo o que é bom chega cá muito mais lentamente que o que é mau, interrogo-me, será que tais fenómenos já cá se instalaram? ou sou eu que estou agora a ser radical?

Disso não sei, mas à semelhança de outros "grandes remédios" para males destes que "já tive que tratar" anteriormente, a vontade de lhes "ajustar o fatinho de domingo", é cada vez maior.

Um Abraço

 
                                >> Responder