Caça Menor      

 

 

Ao Confrade ''lreis'' e sobre as balas C12  28-10-2010 16:10:15 Escrito por Luis Paiva  (20 Respostas)  

 

Julgava que ainda estava supensa...  28-10-2010 18:10:28 Resposta por António Luiz Pacheco   

 

Más que probable reapertura de la caza en 2011  29-10-2010 4:07:30 Resposta por erresse1   

 

Bem! Se estão a pensar…  29-10-2010 9:40:57 Resposta por jffs-B52   

 

Não é bem assim Confrade Júlio...  29-10-2010 11:17:41 Resposta por António Luiz Pacheco   

 

Angola… Angola  29-10-2010 15:14:55 Resposta por jffs-B52   

 

CAÇA EM ANGOLA  30-10-2010 17:50:11 Resposta por NUNOLOPESSANTOS   

 

Grande Nuno! Bem vindo a este fórum!  30-10-2010 19:21:55 Resposta por António Luiz Pacheco   

 

Custa mesmo muito  30-10-2010 22:00:17 Resposta por MiguelPereira   

 

Faltam aqui aqueles bonequitos...  30-10-2010 22:05:24 Resposta por António Luiz Pacheco   

 

Vê lá vê!  30-10-2010 22:15:40 Resposta por MiguelPereira   

 

já lá estive,se querem saber...  29-10-2010 12:39:24 Resposta por velhomurtigao   

 

balas calibre 12  01-11-2010 9:30:47 Resposta por lreis   

 

balas calibre 12  01-11-2010 9:13:51 Resposta por lreis   

 

Confrade Reis  01-11-2010 10:43:24 Resposta por António Luiz Pacheco   

 

E umas fotos! Para TODOS os que se  01-11-2010 11:51:09 Resposta por António Luiz Pacheco   

 

Vamos ver se é este...  01-11-2010 11:52:13 Resposta por António Luiz Pacheco   

 

Ou este...  01-11-2010 11:52:59 Resposta por António Luiz Pacheco   

 

OK é este...  01-11-2010 12:05:56 Resposta por António Luiz Pacheco   

 

Ora toma lá  02-11-2010 2:22:53 Resposta por erresse1   

 

Ao Confarde Antonio Pacheco  01-11-2010 15:34:55 Resposta por lreis   

 


Não é bem assim Confrade Júlio... 

Visualizações 923

António Luiz Pacheco  29-10-2010 11:17:41
 
 

... repare:

Onde se põem minas?
Nos lugares estratégicos como pontes ou outros alvos, normalmente militares ou económicos, e em regiões onde haja gente... o que na imensidão de Angola representa pouco, por um lado e por outro é de lembrar que onde se caça e há caça é longe desses lugares...

Depois as populações sabem onde elas estão (descobriram-no da pior maneira).

Ainda no ano de 2008 fiz 4 000 km em Angola... apenas dos quais 1200 em
"estrada", e cá estou vivo e de saúde... estive em Angola a trabalhar no ano de
1985, e depois disso fui lá à aventura e caçar por 9 vezes, logo a partir de 1986
percorrendo muito daquele Sul e interior - coisa que poucos podem dizer, mesmo
os jornalistas... e andei quase sempre fora da estrada, por caminhos,fazendas
e pescarias... e lhe garanto que há perigos muito maiores e mais reais que as
minas.

Caça? Enfim... tenho pena de não ter conseguido ir lá às terras do fim do Mundo,
mas fui por exemplo ao mítico Bicuar (ou Vicuári) onde ainda vi rasto de elefante
e de búfalo, e outra caça grossa, além de na mesma altura ter sido morto por
um leão um pastor numa fazenda ali perto, onde me alojei com a minha mulher e um amigo da cooperação militar.

No resto, vi sempre bastante caça miúda, gazelas e cabrinhas, javalis, olongos
e onças, havendo ainda guelengues lá no Namibe (Moçâmedes). Tantas vezes
nos alimentámos exclusivamente da caça capturada... porque ali nem por isso
há supermercados e quando nos deslocamos levamos connosco o que podemos de secos... o conduto é por nossa conta! E há que comer umas funjadas...

Quando fui ao Norte de Moçambique - interior de Cabo Delgado - e fui dos primeiros caçadores desportivos se não o primeiro, a ir lá depois da independência, já em 1999, também toda a gente garantia estar tudo minado
e não se poder dar um passo... sim havia e passávamos (na estrada) por zonas que estavam minadas e identificadas... mas entre Pemba e Montepuez, depois daí para dentro, para o mato e zonas remotas... nada! E as pessoas sabiam e andavam à vontade... e lá voltei mais cinco vezes e cá estou são e inteiro!

Assisti ali à instalação de um acampamento e ao iniciar de uma coutada ou concessão de caça, uma experiêmcia única, e andei com o meu amigo que é o caçador profissional a reconhecer a zona e a ver bichos, a procurar águas etc. Foi algo que os Confrades podem imaginar! Duro porque não havia ainda condições, nem estradas ou sequer picadas, andou-se a pé, bebia-se água das charcas, banho no rio e comia-se o que calhava, dormindo até ao relento e no chão, e sem colchão mesmo numa cova na areia...

O resultado foi depois em Portugal e nalguns mentideros habituais, haver alguns especialistas da caça em África que diziam ser falso, que era mentira e eu estar
a serviço do tal profissional e dos sócios... que "sabiam" que em Moçambique
não havia caça, tinha sido tudo morto e que havia minas por toda a parte!

Eu encolhi os ombros e voltei logo lá em 2000 desta vez a pagar (sim da outra paguei só as viagens e dei uma ajuda para pagar o gasóleo... o que cacei não paguei pois foi para comer. Isto foi possível porque sou amigo de um dos sócios
e do profissional que me convidou a ir lá ter com ele...

A lata foi tanta que houve quem dissesse que as fotos que eu tirei a um grande elefante (vivo) tinham sido no Kruger Park... e só se calaram quando não puderam mais argumentar frente à realidade dos muitos caçadores que para ali
têm ido... até o Mestre Pardal ali foi ao mesmo local e viu e caçou o seu último
elefante!

Por isso, não dê muitos ouvidos... Angola ainda vai ser outra vez um bom destino de caça... tenho acompanhado o trabalho do meu amigo Pedro Vaz
Pinto, na Quiçama e na Cagandala... e o que se precisa é que haja de novo
concessões a operar pois elas é que defendem a caça.

Um abraço.

 
                                >> Responder