Caça Menor      

 

 

IN : http://unitega.blogspot.com/  14-01-2011 16:23:30 Escrito por luisnovais  (0 Respostas)  

 


IN : http://unitega.blogspot.com/ 

Visualizações 1134

luisnovais  14-01-2011 16:23:30
 
 

Tradução de Espanhol para Português

O trabalho realizado durante a tese de doutorado Leticia Castillo (Universidad de Extremadura), dirigido por Juan Carranza (diretor do Departamento de caça e pesca, recursos da Universidade de Córdoba) e Pedro Fernandez-Llario (Pesquisadora da Universidade de Extremadura) têm deCoxiella burnetii determinou a prevalência em populações selvagens de veados ibéricos, e como as diferentes densidades de gestão da caça e pode afetar sua área.

Neste estudo, os pesquisadores examinaram 137 veados mortos em campos de madeira de três áreas de Extremadura e Andaluzia (Monfragüe, Sierra de San Pedro, na Serra de Hornachuelos, respectivamente), escolhido para o uso de animais, caça, ou misto, sua gestão principal em populações de veado. "Obtivemos uma prevalência média de 3,64%, e nós, primeiro, encontrar pontos positivos em dois dos três áreas de estudo", diz Letícia Castillo, autor do estudo.

A maior prevalência (isto é, 11%) foi obtido na área foi de uso misto da caça e da pecuária. "Apesar do uso misto, o contato entre as populações selvagens e domésticos é escasso, por isso, a infecção pode ocorrer por via indireta carrapatos", explica Castro.

Na região com o uso de caça só a prevalência em populações selvagens foi de 2,3%, mostrando uma condição desta bactéria intracelular patogênicos "ainda baixos" indivíduos selvagens. "A presença da Coxiella em populações de veado na prevalência de baixo parece ser mesmo que eles podem ser encontrados em densidades relativamente altas nestas áreas", diz o pesquisador.

Através deste estudo, os cientistas encontraram evidência de abortos precoces com reabsorção de veados selvagens, como em bovinos, ao contrário dos pequenos ruminantes têm abortos tardios. Coxiella burnetii é uma bactéria que pode causar doenças em animais domésticos e silvestres. A transmissão deste organismo ocorre de duas maneiras: a direta, especialmente em espécies domésticas, por causa de abortos resíduos, secreções infectadas ou ar e, indiretamente, por carrapatos em animais selvagens.

No caso de transmissão da bactéria para seres humanos, as pessoas em contacto directo com as populações animais, como agricultores, o pessoal do matadouro e veterinários estão em maior risco de sofrer de febre Q, então torna-se necessário o estudo da dinâmica da doença em populações de cervos do Mediterrâneo.

 
                                >> Responder