| | 357 Utilizadores on-line |    

Login [Entrar]

 
   
 
 
Histórias de Caça

Início

Anterior

Próximo

Fim


Vamos à Caça
 

     

Autor: Luis Augusto Melo Guimarães

24-01-2011 16:12:13

 

Foto do Tio Justo - 1931
   
Castelo de Monforte e Rio Livre
   
Antiga casa da Família em Avelelas de Monforte
   
Meu rapaz, como vais começar a vida de “graúdo”, quero deixar-te uns tantos conselhos que nunca mais deves esquecer:
Quando acordares com dor de barriga, “alivia-te”!
Quando te fores deitar com gripe, bebe vinho quente com mel (é cá uma bomba, que mata tudo)!
Quando te doerem os rins, ficares com azia ou estiveres a ver mal, vai ao “doutor”!
Quando andares ralado por causa das mulheres, chateado com a falta de dinheiro ou “f...” com os problemas da vida ... vai à caça!


Foi com estas “deixas” que o Tio Justo, irmão da minha bisavómaterna se despediu de mim (já lá vão quarenta e cinco anos), aquando da passagem pela aldeia da minha mãe (Avelelas de Monforte) a caminho de Chaves, para o­nde eu ia frequentar o Liceu.

A leitura que fiz então com os meus dez anos de idade a estes comentários, limitou-se a que caçar era bom, e que o velho tinha muita piada principalmente no que dizia respeito aos palavrões.

Escusado será dizer que este meu antepassado era caçador, e ao que se dizia; ...que caçador!

Justo de nome mas justiceiro como o diabo para com a caça, embora já com quase oitenta, comenta-se que não perdoava ainda às perdizes mais distraídas.

Oriundo de uma família de agricultores medianamente abastada, solteirão e bom vivã, pouco mais teria feito na vida do que namorar e caçar, motivo porque se tornou um especialista em ambas as coisas.

Poucos anos mais tarde, e na verdade não pelos conselhos que ele me havia dado mas por motivos naturalmente bem mais profundos, comecei a calcorrear os montes à procura das perdizes com uma velha “espanhola” calibre dezasseis sem registo, quer chovesse, nevasse ou fizesse sol, quer andasse aborrecido, alegre ou “assim assim”.

Direi por conseguinte que a minha paixão pela caça (que veio cedo e para ficar), se não deveu propriamente a influências ou tradições familiares, mas sim a um encantamento natural que foi progredindo com as várias experiências vividas desde a meninice.

No entanto, e à medida que os anos foram decorrendo, o caçar passou para alem da paixão que ainda me move, a ser também e principalmente, um extraordinário “escape”na minha agitada vida pessoal e profissional.

Esta nova forma de encarar a caça, fez-me trazer à memória aquele chorrilho do meu querido familiar e recordar com alguma admiração na sabedoria implícita nas suas palavras.

De tal modo, que por diversas vezes nestes últimos anos não resisti ao impulso de retransmitir a muito amigos e conhecidos, não aquela receita do meu Tio para as diversas doenças de ordem física, mas “aquele outro” eficaz “medicamento” para os males que nos afectam muitas vezes o juízo, dizendo-lhes: vão à caça.

Alem deste meu tio-bisavô, na família a caçar (décadas de sessenta e setenta), conheci também o meu tio-avô Justino, irmão mais novo da minha avó, e o “Ti” Paulino, um cunhado do meu avô.

O primeiro, empresário bem sucedido na cidade do Porto, raro era o mês na época de caça que não viesse passar uma semana às terras de Monforte e Rio Livre (sobranceiras ao seu lindo castelo), sempre acompanhado de vários amigos citadinos com o intuito de matarem o vício e levarem o carro cheio de perdizes.

Caçador exímio, que para alem de combinar inteligência no caçar com um vasto conhecimento dos terrenos da sua infância, também se fazia acompanhar de boas espingardas e bons cartuchos, condições mais que suficientes nessa época de fartura para o seu grande e reconhecido sucesso.

O segundo, típico homem de Aldeia, agricultor mas também caçador de costado e meio, era um transgressor inveterado que tinha uma característica muito especial e curiosa: sempre que o início da época de caça começava, ele limpava muito bem a sua velha KRUPP, oleava-a, e de seguida pendurava-a na sala de jantar até ao novo início do “defeso”.

Como o caçar para ele era também um meio de subsistência, a concorrência nos montes e as solicitações para acompanhar e ensinar lugares querençudos aos “fidalgos” da cidade (inclusive o meu Tio Justino, seu parente) não lhe agradava por aí alem, facto pelo qual em todos as épocas de caça e à laia de justificação, inventava uns problemazinhos nas “cruzes”.

Lembro-me também de outros episódios relacionados com ele, que na altura sem entender muito bem achava engraçados, mas que retractam bem o significado que tinham nessa época alguns abates de caça junto do povo rural:

Quando o Ti Paulino cobrava uma raposa ou um gato bravo, pendurava-os à porta de casa durante uma horas (mais tarde esfolava-os para vender as peles) e a população ia-lhe lá oferecer cestos com ovos e várias aves (particularmente galinhas e perus).

Quando por sua vez abatia um lobo, as oferendas eram ainda muito mais interessantes e valiosas, pois até ovelhas incluíam.

Recordo ainda bem o dia, um daqueles gélidos de Inverno (talvez Janeiro ou Fevereiro de 1965) em que ele trouxe consigo carregado numa mula um lobo de proporções enormes, que lhe rendeu oito ovelhas (talvez o número de pastores da localidade), bem como o comentário que fez então entre dentes sobre um “fulano de tal” a quem o lobo já havia morto mais de quinze das suas cerca de cento e vinte ovelhas: o sovina compensou-me apenas com uma ovelha, como os mais pobres, porque não faz contas a que este abate me custou mais de um mês de vigia e várias cabaças de aguardente para aguentar o frio.

Mas, também caçador embora de características diferentes e que não posso deixar de referir, foi o meu pai, cujo prazer da caça consistia nas esperas aos tordos na época fria de Inverno debaixo das oliveiras, e às rolas no verão, em tardes muito quentes, junto dos charcos dos ribeiros.

Em miúdo acompanhei-o diversas vezes com o intuito de lhe apanhar a caça e levar a escalfeta (apetrecho que consistia numa espécie de braseira ambulante) que púnhamos debaixo dos pés para aguentar o frio dos dias nevoeirentos, enquanto aguardávamos os tordos em habilidosos esconderijos junto dos olivais.

A caça tradicional aos coelhos e perdizes nunca o entusiasmou, e eu por outro lado, também não soube ter na altura engenho suficiente para o convencer.

De qualquer modo, as dificuldades legais e as progressivas exigências para praticar a caça no nosso País, bem cedo o levaram a desistir, até mesmo dessas suas pequenas digressões à passarada.

Um dia ainda matou um coelho numa espera aos tordos, e dizia com o seu ar brincalhão que sempre o caracterizou: - “matei-o a cagar”; e de facto matou, e eu testemunhei, mas quem estava a fazer as necessidades não era o coelho ...

A última vez que me recordo ele ter vontade de dar uns tiros, já lá vão cerca de quinze anos, e foi num soalheiro Domingo depois de almoço em época de tordos.

Para minha surpresa agarrou na espingarda e cartucheira que eu deixara ao fundo das escadas, e disse-me que no entretempo de eu tomar o café, ele iria até ao fundo da “vila” esperar uns torditos e matar saudades.

Cerca de uma hora depois quando por lá apareci, confidenciou-me ele muito aborrecido e intrigado: não percebo nada disto, já pousaram aqui três que apontei bem, deixaram um grande depenadouro, mas nem os vi fugir nem os vi cair.

Dou-me então conta que na cartucheira que repousava ao seu lado faltavam os cartuchos da borda, lugar aonde era costume eu, bem como qualquer caçador nessa época, guardar de reserva para os “imprevistos” três ou quatro zagalotes.

A explicação para o tão insólito fenómeno, ficou de imediato esclarecida.

Os tordos nem caiam nem fugiam, pois à distância a que ele lhe havia atirado, e com tão áspera carga, eles haviam sido pura e simplesmente desintegrados.

Deste modo e com grande pena minha, acabei por não desfrutar da sua companhia nem da de qualquer outro familiar próximo no decurso destes quarenta anos de caçadas memoráveis, tão recheadas de bons convívios, grandes amizades e inesquecíveis momentos.

A caça, para quem não saiba, proporciona tambéme essencialmente estas coisas ...

No entanto, companhia e da boa, foi coisa que nunca me faltouneste meu grandioso entretimento.

Bem hajam àqueles que foram ao longo destes muitos anos os meus companheiros de caça, e que sempre recordarei com prazer e estima:

-na menor - Ti Ernesto, Alfredo, Ilídio, Armando e Totó Felgueiras, Toninho Grangeia, Eduardo, Zé Augusto e João Antunes.

-na maior - Luis Lamas, Zé Castro, Dulcínio Grangeia, Mosqueiro, Zé Maria e Zé da Quinta.

todos eles (dois já desaparecidos), uma segunda família, e que continuam a dizer “presente” (mesmo os que estão no além) em cada nova época que se inicia.

Mas depois deste divagar pelo tempo e pelas memórias, dou-me conta que a noite vai longa, que os olhos começam a piscar e a lareira já se apagou.

Como são horas de restaurar, pois a vida activa ainda se impõe, vou terminar com um “até sempre” companheiros caçadores, mas também recordando-vos: se o dia de amanhã correr menos bem, seja por motivos monetários, problemas de amor ou desavenças laborais, reagi com calma e pensai positivo, pois no fim de semana que se aproxima... vamos à caça.


Luis Guimarães 12/01/2011
 

 
Imprimir   Imprimir
     
     
     
     
 
 
 
Votos (51)    
 
     

Comentário(s) (2)   Comentário(s) (2)    
    E lá fomos à Caça ...    
    Caro Luis Guimarães,    
   
     
  Voltar

 
 

| Ficha Técnica | Aviso Legal | Política de Privacidade |

 

(TES:0s) © 2004 - 2017 online desde 15-5-2004, powered by zagari