| | 427 Utilizadores on-line |    

Login [Entrar]

 
   
 
 
Relatos de Montaria

Início

Anterior

Próximo

Fim


Reguengos de Monsaraz
Montaria da Herdade do Postoro
 

     

Autor: António Manuel Rodrigues Viegas

27-02-2011 23:17:19

 

 
Porta 6 - Barragem do Alqueva
   
Ele...
   
Eu
   
O Flávio
   
Mais um
   
Não é que tivesse boas recordações dessa zona, porque apanhei um grande barrete na Herdade do Barroco no dia 23 de Outubro 2010! Mas, como sou teimoso e não à bela sem senão, dei o benefício da dúvida e pensei vou ligar, para ver o que isto vai dar.



Montaria da Herdade do Postoro - S. Marcos do Campo
Data: 19-02-2011
Organização: Sociedade Agro Pecuária Nobre Palma Lda.
Director de Montaria: Sr. Domingos Palma
Capitão: Sr. Nilton Lopes
Área da mancha: +/- 100 ha
Portas: 28
Tiros: + de 200
Matilhas: 6
Tempo: Nublado, por vezes chuva com algum vento
Temperatura: 12*
Quadro de caça: 72 Javalis, 9 navalheiros - 1 possível medalha



Na quinta-feira dia 17/02/2011 vi este anúncio no portal Santo Huberto:

"Montaria da Herdade do Postoro - S. Marcos do Campo
19 de Fevereiro de 2011

Preço 150€
Inclui Pequeno-almoço e almoço
30 Postos

Inscrições até 18 de Fevereiro de 2011

Concentração às 08:00 no Café Restaurante Monte da Açorda em Campinho

A mancha localiza-se num braço da barragem do Alqueva, está muito bem tratada e temos boas perspectivas para abate de Javalis."

Não é que tivesse boas recordações dessa zona, porque apanhei um grande barrete na Herdade do Barroco no dia 23 de Outubro 2010! Mas, como sou teimoso e não à bela sem senão, dei o benefício da dúvida e pensei vou ligar, para ver o que isto vai dar.

Não sei porque, mas pressenti que esta iria ser uma boa Montaria para terminar a época.

Liguei para o Sr. Nilton, atendeu-me mas disse estar ocupado e que me ligaria mais tarde. Assim o fez, estivemos a falar, pareceu-me ser uma pessoa com seriedade! Disse que a mancha havia dois anos que não era monteada. Não faziam esperas, nem outro tipo de caça! A mancha estava bem tratada e em descanso absoluto.

As expectativas eram boas, seriam 28 portas e que possivelmente se matariam entre 15 a 20 porcos. Havia uns, pelo menos um bom! Pensei para 28 portas não é má, mas o problema é que já não havia portas!

Fiquei (tenso), insisti para ver o que ele podia fazer era só mais uma porta até pelo facto de estarem anunciadas 30, segundo ele nada podia fazer porque implicava alterar a disposição das portas entre outras coisas. Era compreensível. Mas a sorte iria mudar a meu favor! Continuamos a conversar e tudo mudou com um telefonema!

Era do filho de um Director a dizer que não podia ir à Montaria se eu quisesse podia ficar com aquela porta. Não hesitei em dizer que sim! Falamos mais um pouco e despedimo-nos até sábado. Para não ir sozinho convidei o meu vizinho Flávio a ir comigo, um rapaz de dezasseis anos. Ele não estava muito convencido a ir até porque nem sabia o que era uma Montaria, mas lá o convenci a ir.

Saímos de Loulé às 5.45 da manhã rumo a Campinho o­nde iria ser o encontro, às 8 da manhã conforme o anúncio. Pelo caminho fui falando com ele sobre o que normalmente são as Montarias procedimentos e deveres dos Monteiros, dos acompanhantes, comportamento a ter tanto no local de encontro como a postura a ter na porta (silencio, ouvido, olhos sempre bem abertos o comportamento das rezes, etc.)

Para vos ser sincero fui com grande expectativa que esta iria ser uma boa Montaria e ele iria ter a oportunidade de ver um javali, uma vez que nunca tinha visto. (e que oportunidade! Nem eu fazia ideia de que íamos ver tantos javalis!)

Chegamos a Campinho às 8.05, mais uma vez pontuais, que para mim é muito importante. Ao chegarmos lá já estavam alguns Monteiros e também os Matilheiros. Não conheci ninguém. Os Monteiros ao irem chegando, todos vestidos a rigor, acompanhados das esposas e filhos, também alguns "nuestros irmanos", comecei a pensar que as minhas expectativas estavam certas.

Conforme iam chegando eram feitas as inscrições, inscrevi-me em 13. Lugar.

Começou a haver um " zum zum" que as portas 16 e 17 iriam ser as melhores por haver uma passagem na rede o­nde os porcos iriam tentar safar. Como podem imaginar comecei a fitar os sentidos para ter a sorte de tirar uma dessas portas!

Bom, por volta das 9.30 fomos tomar o pequeno-almoço que estava rico, tanto em quantidade como em variedade. O meu companheiro de viagem estava deliciado com o (evento,) disse-lhe para fazer umas sandoscas para levarmos para o mato, pois mais tarde sabem sempre bem!

Entre Monteiros e o restante pessoal não vi ninguém conhecido mas também não foi por isso que deixei de trocar algumas palavras sobre a Montaria entre outras coisas, como é habitual num primeiro contacto.

Bom chegou o momento da verdade, e aí sim, o ego desperta logo! E começa a falar mais alto, eu que vivo as Montarias com muita intensidade queria ver a disposição dos envelopes, foi o Sr. Nilton a ter tal tarefa, sobre mesa. Fixei um... (e que um...!)

Começou a chamada, eu estava tenso queria aquele para mim, mas só iria ser chamado em 13. Lugar. O n'16 saiu à décima chamada...ohh! Eu não queria acreditar, não era o meu envelope, o que tinha marcado! Bom, restavam-me o 17!

Chegou a minha vez, tremia um pouco, confesso-vos que o meu envelope era o n' 6 (não tive sorte, pensei!) bem, paciência! Tenho de aceitar, é assim mesmo mas nas Montarias, as boas portas é o­nde vão os porcos e o resto são só números, fiquei até ao fim para ver o­nde estava o 17. Então não é que estava mesmo por cima do meu!!

É pá, ai é que fiquei a pensar, não é o meu dia... mas porquê?! Até estava com "filling)", porque não tirei o de cima! Bom, seja o que Deus quiser.

Chegou a hora de abalar, levámos as nossas viaturas até à Herdade do Postoro, pelo caminho desabafei com o Flávio sobre o que tinha sentido durante o sorteio e ele disse inocentemente "vais ver que vamos matar muitos porcos", eu dei uma gargalhada achando graça a expressão dele e agradeci-lhe pela boa disposição e o facto de estar confiante. É sempre bom estarmos acompanhados de pessoas positivas!

Uma vez chegados à Herdade, fomos distribuídos pelas respectivas viaturas e lá fomos nós.

Durante o caminho só via fossas e rasto dos porcos por todo o lado! Comentei com um Monteiro (penso que fazia parte da Organização), que me perdoe se estou errado, disse que ali não havia porcos mansos que aquilo era tudo dos javalis e que iríamos matar mais de 50! O que vocês acham que pensei? Que ele estava a meter água, mas também ao contrário poderia até ser verdade.

Ok, é sempre uma incógnita! Ao dirigimo-nos para as portas, cada vez via mais rasto e eu, estava confuso com tudo aquilo! A minha armada era da porta 4 à 7, estavam muito bem marcadas uma vez que encontravam à meia encosta sempre pelas linhas de água.

Na verdade não estavam muito distantes entre umas das outras, talvez menos de cem metros, na frente era um pouco sujo porque havia muito mato, não muito grande mas junto.

Bem, cheguei à porta. Era muito perto duma perna da barragem! Não tinha um sítio direito para me colocar, eram só veredas dos porcos a cruzarem-se por ali! No barranco, tudo, mas mesmo tudo fossado... era inacreditável! Como era possível aquilo, nunca tinha visto nada igual! O Flávio não entendia bem o porquê daquilo fazia perguntas! Eu mandava-o o calar pelas razões que vocês sabem, mandei-o arrumar as coisas fora das veredas e tentei encontrar um lugar mais privilegiado para me posicionar.

Ok tudo a postos, estou no acto da Montaria e passados cinco minutos comecei a ouvir os javalis no barranco mais à na minha esquerda, junto da barragem! Fitei o olhar … vi quatro! Atirei a um que se destacava dos outros, penso que lhe acertei!

Passado algum tempo, mais porcos … mais tiros, uns ficavam outros iam! Um navalheiro!!! Vi-o bem no fundo do barranco, três tiros … e acertei! Vi-o cair, mas depressa se levantou! Passou para a encosta, fui ver os tiros e estava lá o sangue, não o podia ir cobrar! Estava a decorrer a Montaria! Era cedo, fiquei alerta … não ouvi mais tiros naquela direcção não sabia se havia portas na encosta à minha frente. Fiquei impaciente, muito atento, sempre a pensar no porco. “Enfim, paciência, espera cheguem os cães e acalma-te Toni!” O Flávio queria ir ver, não deixei, era perigoso. Não o podia pôr em risco, por todos os factores de segurança que estão primeiro lugar.

Passado algum tempo começaram a chegar cães … vieram mais porcos, mais tiros e ouviam-se ladras e agarres! Foi uma festa! O Flávio saltava de contente (eu também!) um verdadeiro arraial.

Comecei a ouvir uma grande ladra da encosta para o­nde tinha ido o navalheiro. Um agarre, é ele pensei! Está ferido, está na água! Não me enganei… era mesmo ele! Tudo aquilo que tinha idealizado bateu certo!

Foi rematado por um Matilheiro que mais tarde veio pedir auxílio, se alguém tinha um carro para levar um cão que tinha a garganta cortada infelizmente viria a morrer mais tarde e um outro estava muito ferido. A montaria estava a terminar!

Não hesitei e fui lá ver com o Flávio. Era ele, um bom animal. Linda boca! Não me tinha enganado, estava morto junto à água! Máxima satisfação entre nós! Estava a viver uma emoção como nunca antes vivida em alguma montaria! Um sentimento inexplicável…

O Flávio viveu a montaria de outra forma, mas também com grande emoção! Sempre muito atento ele viu e ouviu porcos que eu não consegui! Um jovem de muita coragem! Aproveito para lhe agradecer a sua postura antes e durante a montaria.

No final tínhamos sido premiados com cinco javalis e um lindo navalheiro que viria a ser o melhor da mancha! Só na minha armada morreram dezassete porcos.

Em meu nome pessoal quero felicitar e louvar o Sr. Domingos Palma, pela forma honesta e transparente, a dedicação, que teve com a mancha ao longo destes anos. Pois só com pessoas com esta forma de estar na caça é possível se obter resultados desta grandeza.

Quero também agradecer a todos aqueles que tiveram envolvidos directa ou indirectamente para que fosse possível se ter realizado esta MEGA MONTARIA.

A todos os que estiveram a carregar porcos até à meia-noite debaixo de chuva um grande bem hajam.

Ps: Para mim será sempre a montaria do Ano.


Cumprimentos Monteiros.


António Viegas



Anexos   Anexos    
    Rasto na minha porta    
    Navalheiro    
    Navalheiro    

 
Imprimir   Imprimir
     
     
     
     
 
 
 
Votos (12)    
 
     
   
     
  Voltar

 
 

| Ficha Técnica | Aviso Legal | Política de Privacidade |

 

(TES:1s) © 2004 - 2017 online desde 15-5-2004, powered by zagari