| | 33 Utilizadores on-line |    

Login [Entrar]

 
   
 
 
Relatos de Montaria

Início

Anterior

Próximo

Fim


Montaria da Cela
 

     

Autor: António Inácio

30-01-2006 11:50:00

 

   
Dia 21 de Janeiro, saí de Milfontes ás 7 horas, desta vez sem companhia, apeteceu-me e bebi uma bica, ao meu gosto, curta, quente e amarga na "escola de condução". Dia frio, até mesmo aqui junto ao mar, o meu destino desta vez foi a Herdade da Cela, onde se fazem umas "boas" montarias.



Vi nascer a bela aurora, entre Ourique e Castro verde. Após passar por esta vila, lembrei-me de uma cantiga "maldizente" que diz:

"Se fores ao Alentejo não bebas em Castro Verde, as fontes cheiram a rosas e a água não mata a sede".

Não me cheirou a rosas, mas começou a aparecer muito nevoeiro, mesmo muito, fiz mais uns quilómetros, passei pelo cruzamento de Alcaria Ruiva, sede da freguesia onde nasci, andei mais um pouco e parei no próximo cruzamento, na estrada de Beja/ Mértola.

Esperei por dois companheiros, que vinham de Lisboa, o Vítor Morganho e o Oliveira. O Vítor desta vez trouxe como lavagante a esposa. Esperei poucos minutos e seguimos viagem, mais meia dúzia de quilómetros e chegamos à Cela.

Confirmação da inscrição com o respectivo pagamento.

Pequeno-almoço da praxe, fiambre, queijo, ovos mexidos com linguiça, faltava o vinho (para mim foi pena), mas foi de propósito.

Chamada para o sorteio, foi nomeado o Director de Montaria, umas quantas palavras relativamente à segurança e procedeu-se ao mesmo. Não sei se por esquecimento, não foi rezado o Pai-nosso, o que para mim esteve menos bem.

O nevoeiro continuava, e parecia que estava para durar.

Deslocamo-nos nas nossas viaturas para mais próximo da mancha. Ocupamos os transportes, que nos levariam às portas. No meu caso, um reboque com uns fardos de palha. Ficámos apertados e alguns de pé, seria bom que fosse revista esta questão do reboque.

Esperámos e desesperámos que o nevoeiro abandonasse aquelas paragens, mas não havia meio. Porque se fazia tarde, decidiu-se avançar para a mancha, mesmo ainda com algum nevoeiro.

A mancha tem cerca de 300 hectares, foram largadas 7 matilhas. Assisti à colocação de 28 portas, a minha era a 29 de um total de 35. Mancha bonita, com muito mato, muito bom aspecto, prometia.

A porta onde fiquei, foi a mais espectacular que até hoje me calhou. Tinha umas vistas deslumbrantes, umbria à minha frente, uma linda soalheira nas minhas costas, à esquerda tinha uma linha de água. Tudo isto por minha conta, os outros monteiros não estavam à vista.

Os cães foram soltos por volta das 12 horas e logo começou o tiroteio à minha frente.

Maldita porta, linda, mas então, os porcos gostam mais das feias. Os porcos preferiram as portas até ao nº 25. A porta 22 fez 24 tiros, abateu 3 porcos, a 23 atirou por quatro ou cinco vezes...

Foram feitos mais de 100 tiros.

A montaria acabou um pouco tarde, o tractor com um reboque, na minha opinião não é o transporte indicado, e demorou-se uma eternidade a recolher as portas.

Já no tractor e enquanto se esperava que fosse sinalizado um javali começou a ouvir-se uma ladra, o porco deslocava-se na nossa direcção.

Estava presente o proprietário e o director de montaria e nada fizeram ou disseram, quando um Monteiro aprontou a carabina par ver se ainda conseguia matar alguma coisa, lá foi a correr, o porco passou-lhe bom, de atravessado, falhou-o (bem-feito, fez figura de parvo).

Entretanto já outro Monteiro mesmo de cima do reboque estava pronto para fazer fogo, e eu esperando, para ver quem levava com a cápsula, mas o porco foi mais esperto e desapareceu.

Esteve mal o Monteiro que atirou, o que se preparou para atirar, o proprietário e o director de montaria que deveriam de ter impedido que isto se verificasse, até eu fiz mal, em me calar, mas…

Chegámos ao monte, jantámos um belo cozido de grão feito à moda daquelas zonas, acompanhado de um tintinho Alentejano, de boa qualidade. Havia bons doces e fruta, bebeu-se o café e ala que se faz tarde…

Os porcos ainda não tinham chegado, e já era noite cerrada, foi pena… Soube mais tarde, que se abateram 12 porcos, nenhum navalheiro. Para tanto tiro, foi fraco.

Se forem revistos alguns "pormenores" esta montaria pode melhorar. Com os barretes que por aí há, é sempre uma montaria a ter em conta.
 

 
Imprimir   Imprimir
     
     
     
     
 
 
 
Votos (24)    
 
     
   
     
  Voltar

 
 

| Ficha Técnica | Aviso Legal | Política de Privacidade |

 

(TES:0s) © 2004 - 2020 online desde 15-5-2004