| | 167 Utilizadores on-line |    

Login [Entrar]

 
   
 
 
Relatos de Montaria

Início

Anterior

Próximo

Fim


Montaria da Herdade da Baliza 25-11-06
 

     

Autor: Gilberto Fernandes

04-12-2006 10:30:00

 

   
Mais um fim-de-semana, mais uma jornada de caça maior. Desta vez desloquei-me à “Herdade da Baliza”, herdade esta afamada pelas suas montarias e sua beleza situada em Malpica do Tejo. As expectativas, pelo menos da minha parte eram grandes, mas o temporal que se fez sentir de dia 23 para 24 deitou por terra todas as minhas esperanças.

Postos: +/- 45
Disparos: +/- 40
Custo: 200 euros
Reses abatidas: 6 veados e 1 javali

A muita chuva nos dias que antecedem as montarias nunca foi bom agoiro, mas já tinha marcado e não podia faltar à chamada.

Saindo de casa pelas 6 da madrugada coloquei-me ao caminho na companhia do meu amigo João que me iria fazer companhia.
Chegamos a Castelo Branco e esperamos pelos companheiros que não tardaram a chegar, entre eles o Pedro Delgado.
Desde já gostaria de agradecer a sua amabilidade por me ter recebido de braços abertos e com enorme simpatia, explicando e mostrando tudo, pondo-me imediatamente à vontade tendo sentindo imediatamente que iria caçar com amigos.

Depois de um pequeno-almoço bastante reconfortante onde não faltou absolutamente nada, deu-se o início do sorteio.
Na minha perspectiva tudo foi feito como mandam as regras e a tradição monteira.

Mapa da mancha colocado para todos verificarem os postos, envelopes com todos os postos em cima da mesa, as palavras de ordem do organizador alertando que existem punições relativamente ao abate de cervas, cervatas ou varetos, o “cupo” de machos de veado a partir de 8 pontas, regras de segurança etc.
Poucas palavras mas as necessários e com muito significado foi a sensação que me deu.

Pouco depois deslocamo-nos para as viaturas.
A minha armada tinha apenas 6 postos o que tornou tudo muito mais rápido na sua colocação. Chegamos e colocamo-nos imediatamente ficando eu no antepenúltimo posto da minha armada ou seja no posto 25. Um pouco fechado pois estava no meio dos eucaliptos impossibilitando-me de ver o que se passava à minha frente. Apenas via um cabeço a mais de quinhentos metros e onde imediatamente após me ter colocado vi um grupo de cervas que imediatamente se puseram em fuga ao terem sentido a colocação dos monteiros.

Logo se começou a ouvir um tiro aqui e outro ali, mas coisa pouca.
Meia hora depois deu-se o “estoiro” do foguete ou seja o sinal para a solta das matilhas que imediatamente saíram para percorrer os 240 Hectares de mato e eucalipto.

No meu posto apenas cervas e nada mais, ficando para a próxima um encontro mais emotivo com algum javali ou veado, mas desta vez nada.
No total ouvi cerca de vinte tiros, mas mais tarde vim a saber que no total se deram cerca de quarenta, mas mesmo assim pouca acção.

Na minha perspectiva faltou reses devido ao local que se monteou ser uma zona “fria” junto ao rio e devido ao temporal dos dias anteriores. De certo se deslocaram para locais mais abrigados mas também penso que eram poucas as matilhas para montear tão vasta mancha. Apenas 6 matilhas montearam uma área de 240 hectares.

Cerca de 3 horas e picos de montaria, deu-se novamente o rebentamento do foguete, sinal para os postores começarem a recolher as armadas.

À chegada ao monte esperava-nos um caldo verde e uma jardineira de se tirar o chapéu e pouco tempo depois começaram a chegar as reses. Poucos veados, mas até bonitinhos. No total abateram-se quatro veados e um javali.
Era opinião unânime que a montaria “falhou” devido ao temporal, mas é assim, “um dia é da caça o outro será do caçador”.

Em termos de organização nada a comentar e posso mesmo referir que na próxima se não existir nada em contrário lá estarei. Faltaram os veados e javalis é verdade, mas tudo foi excelente.
Os companheiros, a organização, o ambiente Monteiro, o cheiro a azinho vindo da lareira, o pavilhão de caça etc. etc. são motivos mais que suficientes para repetir a montaria.

De salientar um pormenor bastante interessante e pouco visto mas uma atitude positiva por parte da organização que é a distribuição da carne das reses todas abatidas pelos interessados sem custos adicionais.
Já á muitos anos que não assistia a tal atitude!

Saí da herdade com a sensação de ter estado presente com pessoas que vivem a caça no seu verdadeiro sentido da palavra. Organizados, simpáticos, e acolhedores leva-me a pensar em voltar mais algumas vezes.
 

 
Imprimir   Imprimir
     
     
     
     
 
 
 
Votos (109)    
 
     
   
     
  Voltar

 
 

| Ficha Técnica | Aviso Legal | Política de Privacidade |

 

(TES:0s) © 2004 - 2019 online desde 15-5-2004